quinta-feira, 8 de setembro de 2016

Análise do mercado: Expectativas para Setembro de 2016

Ola!
Novas Informações sobre o mercado do Bitcoin para Setembro de 2016

Depois de iniciar o mês de agosto com fortes emoções provocadas pelo ataque à corretora Bitfinex, o mercado de bitcoin recuperou-se da turbulência e fez um voo de cruzeiro durante todo o restante do mês, com o preço da moeda relativamente estabilizado entre US$ 565 e US$ 580. No Brasil, na última semana, o ativo começou a ser negociado na casa dos R$ 1930 e encontra-se atualmente sendo vendido a R$ 1900.
É bom dizer que ao longo dos últimos anos tivemos vários períodos de baixa volatilidade como este, inclusive por mais tempo. Parte da explicação para essa calmaria deve-se às férias de verão na Europa e nos Estados Unidos, como explicamos neste post aqui. Já vimos outros momentos de estabilidade na
cotação do bitcoin e, geralmente, depois desses períodos o preço subiu. Ao longo dos últimos 18 meses, momentos como o atual serviram como uma preparação para uma guinada positiva na cotação.
É importante observar que atualmente o bitcoin está cerca de US$ 80 mais barato em comparação aos preços antes do caso Bitfinex, com o comportamento dos principais traders precificando um risco de queda entre 15% à 20%, caso os ladrões virtuais decidam despejar as moedas no mercado, em um momento de relativa baixa demanda.
O mês começou com o governo Temer participando da reunião do G-20 na China e a expectativa em relação à aprovação no congresso das medidas propostas pelo novo governo, tidas como impopulares, mas ao mesmo tempo urgentes para a retomada da economia brasileira.
A cotação do dólar deve refletir esse movimento, podendo buscar patamares próximos a R$ 3,00, caso se configure uma entrada forte de capital estrangeiro. Como sabemos, a trajetória do dólar é decisiva para determinar a demanda por bitcoin no Brasil.

Enquanto isso, a economia dos Estados Unidos pode estar a caminho de uma outra recessão em breve. Pouco mais de sete anos depois da última grande recessão, vários indicadores econômicos apontam para uma desaceleração no futuro próximo. O investimento caiu em praticamente todos os setores. Isso geralmente é um forte indicativo que uma recessão se aproxima e faz os investidores serem mais cautelosos.

Em um relatório, analistas do Citigroup apontam uma eventual vitória de Donald Trump como um evento catalisador de uma recessão de ordem global devido ao crescimento das incertezas.

Enquanto isso, na Europa, os bancos, particularmente os italianos, podem precisar em breve de uma injeção de capital de mais de US$ 160 bilhões. Além disso, a saída do Reino Unido da União Europeia pode levar o bloco ao colapso, colocando em xeque o futuro do euro como moeda. No Japão, onde a economia segue estagnada, o governo já lançou mão de novas rodadas de estímulo financeiro e os efeitos que isso pode causar sobre o iene, em termos de inflação, são relevantes.
Por isso, diversificar o portfólio de investimentos com uma parcela de bitcoin é um bom seguro contra um eventual cenário grave de crise na economia global. Neste caso, um portfólio de ativos diversificado com bitcoin será muito mais resiliente do que um que tenha apenas recursos alocados em investimentos tradicionais e ações. Em tempos de turbulência, ouro e bitcoin tendem a se valorizar, enquanto praticamente todos os investimentos tradicionais derretem, como observado recentemente no Brexit.

No curto prazo, nossa principal aposta para um novo rally do bitcoin é a aprovação de fundos de investimento abertos negociados em bolsa (ETF, na sigla em inglês) autorizados a investir diretamente em bitcoin. Esse importante avanço do mercado ainda não tem prazo definido para acontecer, uma vez que constam diversos pedidos sob avaliação dos reguladores americanos.
Esses novos fundos de investimento têm tudo pra ser a principal porta de entrada de novos operadores, aumentando a demanda e a liquidez da moeda digital.

Considerando a imensa liquidez disponível nos mercados em busca de rentabilidade e o cenário de juros reais negativos se espalhando como um vírus pelas principais economias do mundo, estimada em cerca de US$ 70 trilhões, o valor de mercado atual do bitcoin, em torno de US$ 10 bilhões, parece baixo frente o potencial de demanda futuro.
Outro fator que merece atenção é o desenvolvimento da nova atualização do bitcoin, a versão 0.13.0, chamada de SegWit, como explicamos neste post aqui. Esta atualização  redesenha o processo de verificação das transações no blockchain e resolve problemas famigerados da tecnologia, como a escalabilidade e a maleabilidade. Ele é uma das soluções propostas para a lentidão no processamento das transações na blockchain, que devido ao grande número estão formando longas e demoradas filas para serem validadas.

Ainda vale a pena citar a opinião de Vinny Lingham, grande especialista em bitcoin, que é conhecido por suas previsões acertadas sobre as tendências de preço do bitcoin. Ele cita o evento de redução da recompensa dos mineradores, o halving, que ocorreu em julho, como um dos potenciais gatilhos para a cotação.
Vinny Lingham

Ele afirma que os verdadeiros impactos da queda da recompensa por bloco validado, que saiu de 25 bitcoins e agora é de 12,5 moedas, ainda serão sentidos. Ele acredita que entre duas a quatro semanas, forças resultantes dessa mudança podem fazer o preço da moeda subir.
Alta BTC - 08 de Setembro de 2016
1 BTC = $625 USD

A teoria dele é que os mineradores que não estão realizando o lucro necessário para manter suas operações podem ser forçados a comprar bitcoins nas corretoras, o que poderia causar um estrangulamento na oferta. “É a mesma coisa que vender sua produção agrícola no mercado de futuros e então ser atingido por uma tempestade que devasta metade de suas plantações. A única forma de você remediar isso é se o preço dobrar”, escreveu em seu blog.

FONTE:
https://www.coinbr.net/blog/analise-do-mercado-expectativas-para-setembro/


Nenhum comentário:

Postar um comentário